14/07/2009

Frida Kahlo - Auto-Retrato de Uma Mulher de Rauda Jamis

Editor: Livros Quetzal
N.º Págs.: 368
Categoria: Biografia


Sinopse:

A reedição da biografia de Frida Kahlo, que Diego Rivera, o maior pintor mexicano do início do século (e seu marido), descreveu como «o único exemplo na história da arte de alguém que arranca o próprio seio e o próprio coração para dizer a verdade biológica que sente neles». Frida nasceu em 1907 na Cidade do México. Aos 17 anos, um acidente rodoviário obrigou-a a ficar acamada durante dois anos e a usar cintas ortopédicas até ao fim da sua curta vida - viria a falecer com apenas 47 anos. Foi neste período que Frida Kahlo descobriu a pintura, arte que a levaria ao matrimónio tempestuoso com Diego Rivera (de quem posteriormente se divorciou e voltou a casar). Habituada aos relacionamentos extraconjugais do marido, Frida - que apesar da sua deficiência era uma mulher bela - viria a envolver-se com vários homens, entre eles Leon Trotski ou o fotógrafo Nicholas Muray.


A Minha Opinião:
Gostei muito de conhecer esta artista, a sua obra e certos factos que estiveram por trás da sua veia artística. O sofrimento e a força desta mulher são indescritíveis, tal como a sua vontade de viver. Como não está escrito de uma maneira apenas factual, e contém excertos de coisas que a própria artista escreveu, torna-se uma leitura muito profunda.

(Obrigada meu anjo por teres disponibilizado este livro que é uma lição de coragem e força!)

11 comentários:

Anamir disse...

Parabéns por este blog, que descobri por acaso. No entanto, foi sem dúvida uma belíssima surpresa. Como também estou na blogosfera, ainda que por outros motivos, vou seguir este espaço com atenção. Aguardo assim, por algumas novidades.
Vi também que temos lido em comum alguns livros. Bom gosto!!!
E continuação de Boa Leitura.

semidio disse...

Obrigada pelo comentário ao meu blog.
É apenas um cantinho onde gosto de divulgar alguns livros que tenho lido.
Fico a aguardar comentários que são sempre bem vindos! :)
Boas leituras!

Ana disse...

Olá!

Passa pelo meu blogue!

Beijinhos!!!

Marta disse...

Ola

Tenho um selinho no meu blogue para ti.
Beijinho

Ferncarvalho disse...

Olá linda!!! Já não falamos há imenso tempo, não é?
Em relação ao livrito, já há imenso tempo que ando para o ler e conhecer um pouco mais sobre essa mulher de que tão bems e fala. Um dia destes aind vou à procura dele.

Entretanto, mando-te uma beijoca!
Boas leituras!

Marta disse...

Ola
Deixei um selinho no meu cantinho.
Beijinho
Boas leituras

Marta disse...

Ola

no meu cantinho espera um selo de qualidade para este blog.

Beijinho

Marta disse...

Ola

Deixei um selinho "blog mágico"
Beijinho

♡J♡A♡N♡E♡ disse...

Anos depois desse dia, ela pensaria que deveria ter ouvido sua voz interior quando acordou.
O dia letivo terminara e ela esperava o ônibus, um autocarro, uma novidade para o ano de 1925, era uma tarde primaveril do dia 17 de setembro. Ajeitou a calça que usara para disfarçar sua perna mais fina e o pé meio torto, embora essa seqüela da doença infantil não mais a incomodasse. Acostumara-se aos apelidos da infância. Já tivera na vida sua dose de tragédia na vida quando foi acometida pela poliomelite. Estava alegre, o namorado juntara-se a ela nessa espera.
Tinha passado o dia estudando na Escola Nacional Preparatória da Universidade do México, preparando-se para o curso de medicina, o que muito orgulho lhe trazia, pois era uma das 35 meninas entre cerca de dois mil rapazes. Queria ser médica.
Em outra direção um trem fazia um trajeto oposto ao ônibus que ela ansiava.
Seu pai um fotógrafo judeu-alemão e sua mãe uma mestiça mexicana a esperavam em Coyoacán, um povoado da periferia da capital, queria contar ao pai que a estimulava a freqüentar aulas de pinturas, o aprendizado daquele dia. Frida sempre fora curiosa, inteligente, independente e persistente. Praticante de vários esportes gostava de andar de bicicleta e de nadar.
Quando o ônibus chegou entraram e ela sentou-se perto de uma senhora que levava um vidro grande cheio de um pó dourado.
O bonde que vinha em direção contrária ganhava velocidade. E se aproximava perigosamente.
Andaram algumas quadras e ônibus e trem colidiram, era um bonde elétrico. Frida foi jogada para fora, fora do veiculo e do próprio destino, num mundo de dores, cores, gritos, amputações e mortos. Destroços voaram alto, ouvia-se o ranger de dentes, corpo dilacerados. Comoção total.
Um momento surreal: ela ficou coberta de sangue, tinha uma barra de ferro atravessada no abdômen que saía pela vagina. Ela tinha 18 anos e estava partida ao meio, fraturada, rasgada, fragmentada física e emocionalmente. Ao sol o pó dourado que a tudo cobrira reluzia misturado ao sangue. Ela estava brilhante. Dourada.
Muito tempo passou, exilada da convivência de amigos, presa a quatro paredes e a uma cama hospitalar,ela começou a pintar num cavalete adaptado, pintaria sua própria biografia, pintaria suas telas deitada, muitas com um espelho na frente. Ela diria que pintava a própria realidade, que não era surrealista e que não pintava sonhos.Provavelmente sua maior seqüela foi o fato de não poder ter filhos, mesmo assim insistiu tendo vários abortos.
Seu país vivia o renascimento após uma revolução sangrenta, ela teria que vivenciar sua própria revolução e ressurgimento, enfrentar cerca de trinta e cinco cirurgias e uma vida amorosa conflitada, precisaria forjar na dor um devir diferente do imaginado.
Encontrar uma motivação. Filiada ao Partido Comunista, conheceu seu marido, um famoso muralista, teve uma vida conjugal tumultuada por casos extraconjugais com homens e mulheres, traições,desgostos e separações. Conheceu Leon Trotsky. Admirava Lênin, Marx e Engels. Suas obras, dizem os críticos, beira a ingenuidade, adotou temas do folclore mexicano, afirmando a identidade nacional. Suas telas refletem sua luta constante contra a dor. Tinha consciência de pertencimento à cultura mexicana ancestral e exibia isso também em sua forma de vestir, usava roupas indígenas e penteava os cabelos com torçais de lã de cores brilhantes,usava anéis, colares e brincos de ouro, jade, pérolas e conchas, muitos traziam símbolos e hieróglifos da cultura asteca. Era autêntica.
Aos 47 anos foi encontrada morta. Meses anos precisara amputar uma perna. Há suspeitas de suicídio. Suas cinzas foram colocadas numa urna pré- colombiana e repousam na Casa Azul transformada em museu. Sua ultima anotação no diário foi:
“Espero alegre a saída e espero nunca voltar."
Frida Kahlo criou um vinculo único e indissociável entre sua vida, seu amor, suas perdas e suas telas, usou pincéis da dolorosa realidade para retratar sua vida com sangue, intimidades e tintas.Jane Cassol.

Sofia disse...

Muito bonito!
Um excerto deste livro?

Obrigada!

♡J♡A♡N♡E♡ disse...

Sofia, não li esse livro, meu texto se baseia em leituras diversas sobre a vida dela.Abraços.